“Acho que uma das coisas mais sinistras da história da civilização ocidental é o famoso dito atribuído a Benjamim Franklin, ‘tempo é dinheiro’. Isso é uma monstruosidade. Tempo não é dinheiro. Tempo é o tecido da nossa vida, é esse minuto que está passando. Daqui a 10 minutos eu estou mais velho, daqui a 20 minutos eu estou mais próximo da morte. Portanto, eu tenho direito a esse tempo. Esse tempo pertence a meus afetos. É para amar a mulher que escolhi, para ser amado por ela. Para conviver com meus amigos, para ler Machado de Assis. Isso é o tempo. E justamente a luta pela instrução do trabalhador é a luta pela conquista do tempo como universo de realização própria. A luta pela justiça social começa por uma reivindicação do tempo: ‘eu quero aproveitar o meu tempo de forma que eu me humanize’. As bibliotecas, os livros, são uma grande necessidade de nossa vida humanizada.”

Antonio Candido


POESIA VISUAL


todos os poemas são visuais
porque são para ser lidos
com os olhos que veem
por fora as letras e os espaços                              
mas não há nada de novo
em tudo o que está escrito
é só o alfabeto repetido
por ordens diferentes
letras palavras formas
tão ocas como as nozes
recortadas em curvas e lóbulos
do cérebro vegetal : nozes
os olhos é que veem nas letras
e nas suas combinações
fantásticas referências
vozes sobretudo da ausência
que é a imagem cheia
que a escrita inflama
até ao fogo dos sentidos
e que os escritos reclamam
para se chamarem o que são

ilusões fechadas para
os olhos abertos verem

E. M. de Melo e Castro



Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades. 

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades. 

O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já foi coberto de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto. 
E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía. 


Luís de Camões 

Desnudez Total

Ya en desnudez total

extraña ausencia 
de procesos y fórmulas y métodos
flor a flor,
ser a ser,
aún con ciencia 
y un caer en silencio y sin objeto.

La angustia ha devenido

apenas un sabor,
el dolor ya no cabe,
la tristeza no alcanza.
Una forma durando sin sentido,
un color,
un estar por estar
y una espera insensata.

Ya en desnudez total

sabiduría 
definitiva, única y helada.
Luz a luz 
ser a ser,
casi en amiba,
forma, sed, duración,
luz rechazada.

Idea Vilariño

O Próprio Ser Eu Canto

O próprio ser eu canto: 
Canto a pessoa em si, em separado 
_ embora use a palavra Democracia 
e a expressão Massa.
Eu canto o Corpo 
Da cabeça aos pés: 
Nem só o cérebro 
Nem só a fisionomia 
Tem valor para a Musa 
_ digo que a forma completa 
é muito mais valiosa, 
e tanto a Fêmea quanto o Macho 
eu canto.
A vida plena de paixão, 
Força e pulsam, 
Preparada para as ações mais livres 
Com suas leis divinas 
_O Homem Moderno 
eu canto.

Walt Whitman


Acordei hoje com tal nostalgia de ser feliz. Eu nunca fui livre na minha vida inteira. Por dentro eu sempre me persegui. Eu me tornei intolerável para mim mesma. Vivo numa dualidade dilacerante. Eu tenho uma aparente liberdade mas estou presa dentro de mim. Eu queria uma liberdade olímpica. Mas essa liberdade só é concedida aos seres imateriais. Enquanto eu tiver corpo ele me submeterá às suas exigências. Vejo a liberdade como uma forma de beleza e essa beleza me falta.


Clarice Lispector 

Let’s play that
Quando eu nasci
Um anjo louco muito louco 
Veio ler a minha mão 
Não era um anjo barroco 
Era um anjo muito louco, torto 
Com asas de avião 
Eis que esse anjo me disse 
Apertando minha mão 
Com um sorriso entre dentes 
Vai bicho desafinar 
O coro dos contentes 
Vai bicho desafinar 
O coro dos contentes 
Let's play that

Torquato Neto 

Seleção

Não é mesmo a minha
trilhar o caminho certo,
andar na linha,
equilibrista no circo.

Olhado à distância,
o passado é uma mancha,
um feixe de nervos
e ânsias.

Não me pergunte
como saí vivo
da infância
e de tudo
que veio em sequência.

Outros encham a boca:
“viveria tudo
outra vez”.
Escolho os melhores dias
 e vivo só mais um mês.


Ricardo Silvestrin
Vida Tempo

Quem tem olhos pra ver o tempo

soprando sulcos na pele
soprando sulcos na pele
soprando sulcos?
 
o tempo andou riscando meu rosto

com uma navalha fina


sem raiva nem rancor

o tempo riscou meu rosto

com calma


(eu parei de lutar contra o tempo

ando exercendo instantes

acho que ganhei presença)


acho que a vida anda passando a mão em mim.

a vida anda passando a mão em mim.

acho que a vida anda passando.

a vida anda passando.

acho que a vida anda.

a vida anda em mim.

acho que há vida em mim.

a vida em mim anda passando.

acho que a vida anda passando a mão em mim


e por falar em sexo quem anda me comendo

é o tempo

na verdade faz tempo mas eu escondia

porque ele me pegava à força e por trás


um dia resolvi encará-lo de frente e disse: tempo

se você tem que me comer

que seja com o meu consentimento

e me olhando nos olhos


acho que ganhei o tempo

de lá pra cá ele tem sido bom comigo

dizem que ando até remoçando.


Viviane Mosé
diário de viagem

o poeta foi visto por um rio
por uma árvore
por uma estrada...

 Mário Quintana
Tratado geral das grandezas do ínfimo
 
A poesia está guardada nas palavras — é tudo que eu sei.

Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogios.


Manoel de Barros
TEMPO

no início era o começo.
o depois veio vindo devagar.
o antes veio depois do depois.
só quando esse se estabeleceu.
no princípio era o agora.
isso demorou até que
tudo virou antes e depois.
então uma revolução peluda
o agora voltou ao trono.
antes e depois viraram
falta do que fazer.
e tanto fizeram
que o agora virou tudo
e o tudo, nada.
de volta ao princípio
o agora congelou.
o antes fica pra depois.

Chacal
          todo es muy simple

          todo es muy simple mucho

          más simple y sin embargo
          aún así hay momentos
          en que es demasiado para mí
          en que no entiendo
          y no sé si reírme a carcajadas
          o si llorar de miedo
          o estarme aquí sin llanto
          sin risas
          en silencio
          asumiendo mi vida
          mi tránsito
          mi tiempo.
         
          idea vilariño
                               Da Minha Aldeia

Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo…
Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não, do tamanho da minha altura…
Nas cidades a vida é mais pequena

Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe 
de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos 
nos podem dar,

E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver.

Alberto Caeiro
"O Guardador de Rebanhos - Poema VII"
     Um Lance de Dados 
       "Un Coup de Dês"

Quero que saibam o valor 
Da canção, se de boa cor,
Que elaborei com meu calor:
Neste mister eu levo a flor,
     Ninguém me bate,
Irei prová-lo assim que for
     Dado o remate.

Conheço bem o senso e loucura,
Conheço honra e desventura,
Já senti pavor e bravura;
Mas se propõem jogo do amor
     Não fico atrás;
Escolho sempre o que é melhor
     Do que me apraz.

Conheço bem quem me quer bem
E sei quem me quer mal também,
Quem ri de mim, quem me convém,
E se de mim se achega alguém
     Sei muito mais:
Como saber prezar a quem
     Prazer lhe faz.

Bem haja aquele de onde vim,
Pois que soube fazer de mim
Alguém tão bom para esse fim;
Que eu sei jogar sobre coxim
     De qualquer lado;
Não há ninguém que o faça assim,
     Por mais dotado.

Bendigo a Deus e a São Julião
Por tão bem cumprir a missão
E jogar com tão boa mão.
Se alguém precisa de lição 
     Que venha logo:
As que vierem voltarão
     Sabendo o jogo.

Chamam-me "o mestre sem defeito":
Toda mulher com quem me deito
Quer amanhã rever meu leito;
Neste mister sou tão perfeito,
     Tenho tal arte,
Que tenho pão e pouso feito
     Por toda parte.

E não me digam que isto é prosa.
Ainda outro dia tive a prova,
Jogando uma partida nova.
Saí-me bem no meu primeiro
     Lance de dados;
Não vi os de nenhum parceiro
     Tão bem jogados.

Mas ela disse, com desprezo:
"Os vossos dados não tem peso,
Vos desafio a uma outra vez".
E eu: "Montpelier não vale o preço
     Destes pedaços".
E ergui-lhe o avental xadrez
     Com os dois braços.

Depois de erguer o tabuleiro,
     Joguei os dados:
Dois foram cair colados,
     E o terceiro

Feriu no meio o tabuleiro.
E estão lançados.

Mallarmé
Trad. A.C.